domingo, 19 de fevereiro de 2017

"Eu não sou seu negro"

O esplêndido documentário "Eu não sou seu negro" foi feito para negros e não negros. 
Mira no coração e na consciência de todos que se negam a aceitar atitudes parvas, que derramaram e ainda derramam a lama vergonhosa da discriminação em razão da cor da pele. 
A narrativa (nada entediante) apresenta e leva adiante as reflexões mais agudas acerca do racismo. A desigualdade de oportunidades, o ódio cego e canhestro, a violência absurda e deplorável praticada por mentes doentias, que perderam o trem da História e desembarcaram na estação das trevas e da indigência emocional.
Ao final da sessão, compreendi que levantar e ir embora seria injusto e incompatível com o que a telona mostrara. Bati palmas, entusiasmadamente. E o gesto foi repetido por quase todos que lá estavam. Uma luz brilhou no escuro da sala.
Homenagem singela aos que dedicaram a vida (e a morte) à causa dos Direitos Humanos!!

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Mais nada

Desde que nasci, insistiram que eu deveria ser isso ou aquilo. 
Militar, jogador de futebol. Desde o princípio e por princípios,
divergi.
Fazia questão de mudar a qualquer instante. Tudo dependia 
apenas dos meus instintos. E eles tinham a voz dos trovões,
a pele das nuvens, voavam como águias e repousavam como
os oceanos.
Decorei minha cabeça com cabelos indisciplinados, à imagem
dos meus pensamentos, tão fantasiosos quanto as realidades
que me ofereciam, em vão.
Corri, sem aprender. Perdi, antes de encontrar. Não cedi, pois
já era tarde. Ardi, crepitei, incendiei meu olhar. Essa era a
chama que me guiava. Mais nada!

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Virtude e pecado

Vida, afinal o que é ela?
É o que está atrás e também à frente da porta e da janela.
Vida é desde o começo e, pelo menos, até o final.
É tudo que faz bem e passa longe do banal.
Vida não é o contrário da morte.
Pois ela é leste, oeste, sul e ainda nos dá o norte.
Vida não é coleção de feridas e cicatrizes.
Ela está nas ruas, avenidas, becos, nas celebrações e até nas crises.
Vida não é supermercado, onde se enche o carrinho.
Vida é virtude e mesmo pecado, desde que haja carinho.

domingo, 15 de janeiro de 2017

Antes do depois

Se os ponteiros do relógio, de uma hora para a outra, trafegassem no sentido anti-horário, o que seria de mim? 
Uma palavra presa no dicionário, temendo mais o começo do que o fim.

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Farpas e harpas

Muito cuidado com os enfarpelados.
Eles soltam farpas e jamais tocarão harpas.
Cuidem muito dos destroçados.
Eles não são troços e possuem almas, 
mesmo que sobressaiam os ossos.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Etiquetas

Consumamos, mais e mais. Já que não amamos, para que pecados veniais? Consumamos, por humanos que somos. Até pelo receio de sumirmos, quando nada compramos. Cada um vale pelo muito que tem a exibir. A os(tentação) tornou-se a única medida aceita no mercado, digo, mundo. A singular moeda de troca. Trocamos todas as coisas que acumulamos. E o cúmulo: permutamos inclusive o
que não é coisa. Sintoma de que coisificamos sentimentos e, claro, pessoas. Colemos, de uma vez, etiquetas em testas. Há quem diga, assegure, que tudo e todos têm preço. 
Quem ousar discordar, que se segure. 
Dos demais, simplesmente me despeço.

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Sinto

Muitos sentem-se excluídos.
Alguns sentam-se na exclusão.