terça-feira, 8 de maio de 2012

sem título

Existir é diferente de viver, 
é se envolver.

É bem mais que resolver questões,
que conviver com senões.


Existir não é conjugar somente os verbos conhecidos,
é criar solenemente outros verbos, sem imperativos.


É imaginar amiúde, compreender que saúde
é de dentro para fora e de fora pra dentro.
É habitar o epicentro do próprio vulcão.


Existir é mostrar a cara, é abrir o peito,
é encontrar um jeito de se fazer melhor.


É saber sem decorar mas, se esquecer,

improvisar de cor.

8 comentários:

  1. Vivo e existo sem hesitar ! lindas palavras...bem no momento em que penso que na vida o melhor é mesmo se jogar ! Beijos

    ResponderExcluir
  2. Jogar-se como as estrelas o fazem no céu estrelado.
    Deve ser bom ser estrela para ter estrelas ao lado.

    ResponderExcluir
  3. Olá,importante seu texto,seu jogo de palavras e que nos dizem tudo.
    viver é tudo isso mesmo,viver com intensidade,amar incondicionalmente, chorar , sentir.....enfim...viver....
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  4. (Existir)"é habitar o epicentro do próprio vulcão.
    Existir é mostrar a cara, é abrir o peito,
    é encontrar um jeito de se fazer melhor." - Nossa... de tirar o fôlego, de arrepiar os pelos, de arrancar do conforto, de levantar até morto! Rapaz, sei bem o que você quer dizer com habitar o epicentro do próprio vulcão. Não concordo mesmo com essa ideia de sobreviver, eu vivo muito a 1.000 por hora, a 2.000 volts, adrenalina total! Viver dói, arranca pedaço, dá trabalho por isso as pessoas preferem se esconder na mesmice das horas, se abandonar na zona de conforto, que sinceramente não conheço!

    ResponderExcluir
  5. Essa é, também, a voltagem da minha alma, moça. Inquieta, indomável, irresignada...

    ResponderExcluir