sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Meu jeito

Ah! Esse meu jeito
de acreditar sem ditar,
de afagar as incertezas,

de nadar contra as correntezas
sem me afogar

Ah! Esse meu jeito
de apreciar o avesso,
de não achar que o começo
é o princípio do fim

Ah! Esse meu jeito
de amar até perder o ar,
de ser íntimo das palavras por tanto rimar,
de não cansar de remar, remar

Ah! Esse meu jeito
de sorrir pro perigo,
de ser o mestre que sigo,
sem mais seguidores

Ah! Esse meu jeito
de seduzir as dores,
para que se convertam em cores,
em flores, amores

Ah! Esse meu jeito
de desafiar o tempo,
de correr contra o vento,
para que ele me vença,
embora não me convença
de que seria melhor parar.

4 comentários:

  1. Ah, esse "grilo falante" que fica soprando no seu ouvido é demais!

    ResponderExcluir
  2. Ah! Esse meu jeito...
    De encontrar aqui, alento dentro do meu peito!
    Um abraço carinhoso, amigo poeta!

    ResponderExcluir