quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

seda

Eu quero que a chuva caia
e que ela me atraia
até me inundar
Eu quero que o raio parta
para muito longe,
sem querer voltar
Eu quero que o tempo se arraste
e mesmo que não baste,
vou aproveitar
Pois sei que tudo é imensamente frágil
e o pensamento é ágil
para imaginar
E por falar em imensidão,
o meu coração não quer se lotear
Eu olho em toda a direção
e só encontro um ponto sem desapontar
Por todos os meus descaminhos,
enfrentei moinhos
sem os derrotar
Espero que a noite ceda
e a madrugada, feito seda,
possa te enfeitar.

2 comentários:

  1. Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
    reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
    Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
    decerto que virei aqui mais vezes.
    Sou António Batalha.
    Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
    siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.

    ResponderExcluir
  2. Agradeço suas palavras gentis, Antonio.

    ResponderExcluir