quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

ao relento

As rimas,
primas entre si,
zombam dos versos
embriagados

Lágrimas,
de choro ou de rir,
tombam sobre gestos
desabrigados

8 comentários:

  1. Versos embreagados, gostei de como usas os detalher.
    Parabéns, estou começando agora, se puderas, dê uma passadinha pelo meu
    ;*

    ResponderExcluir
  2. Hélcio...
    puxa, passou pela minha cabeça, todo o meu "desabrigamento".

    Poeta é phoda, sabe ligar as coisa.

    ResponderExcluir
  3. Somos todos, mais ou menos, de quando em quando, desabrigados, Walkyria.

    ResponderExcluir
  4. O Natal chegou. Com ele nossas esperanças, nossos novos sonhos. Que nossas esperanças estejam sempre vivas, e que nossos sonhos tornem-se realidade. E que neste Natal o amor, a fé e a esperança estejam presentes em cada um de nós, que a cada novo dia do ano que está para começar estejamos iluminados. Feliz Natal, para você e a todos os seus familiares.

    Beijos no coração.
    Miss Simpatia.

    ResponderExcluir
  5. Obrigado, Miss. Muita paz, alegria e vitalidade para vc e todos a quem ama. Beijos.

    ResponderExcluir
  6. sabe, daquelas poesias que nao se tem muito a falar? simplesmente se gosta e se lê e se gosta de novo...
    gosto de suas escritas.

    beijos e um Natal cheio de esperanças

    ResponderExcluir
  7. Natal de muita paz e alegria, frô. Bjs

    ResponderExcluir