segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

escada

És cada degrau que me eleva
És cada grau que me sua
És cada nau que me leva
És carnaval toda nua

És cada pão que alimenta
És cada vão que emoldura
És cada não que atormenta
És cada grão que me cura

10 comentários:

  1. Uiii! Que forte, intenso. Deu para sentir aqui. Bjus!

    ResponderExcluir
  2. Lindo poema.Rima perfeita!
    Agradeço a visita.
    Gd beijo

    ResponderExcluir
  3. Linda declaração, cheia de paixão.
    Boa semana querido, beijos.

    ResponderExcluir
  4. És o que és , então acabou a procura.

    ResponderExcluir
  5. para ti...
    Minha poesia...


    SOLIDÃO



    O que é afinal a solidão?

    Solidão será que é estar só?

    Solidão será afinal o quê?



    Solidão é sentir que estou só

    Mesmo só, mesmo tendo muita gente

    Gente que me rodeia mas não a vejo...



    E assim a solidão entrou aqui

    Entrou e resolveu fazer do meu eu

    A sua morada permanente.



    E a solidão que é mesmo solidão

    Está no meu coração e dói...

    Sinto-a mesmo estando rodeada de gente



    E então penso como combatê-la

    Como parar esta solidão que aleija

    Fecho os olhos e penso que ao acordar...



    A solidão partiu para sempre

    E foi procurar outro peito, outro eu

    Para poder morar...



    E ao sonhar

    Tenho a Esperança

    De não mais

    Sentir a solidão...


    LILI LARANJO

    ResponderExcluir
  6. Angélica, em sentido amplo, a procura confunde-se com a vida.

    ResponderExcluir
  7. Beijos, Teresa. Espero sempre conseguir transmitir a intensidade das palavras que me visitam. Bjs.

    ResponderExcluir