segunda-feira, 6 de junho de 2011

ao céu

Preciso devolver ao céu as estrelas que ele me emprestou
Assim que anoitecer, deixarei que elas saiam de meus versos
Eram elas que iluminavam minhas palavras, naqueles poemas
A onda, a brisa, a nuvem, a lágrima e o sorriso não se repetem
Temo que poucos tenham percebido suas ausências
Talvez pelo hábito de olhar o todo, sem tropeçar nos detalhes
Seja como for, de agora em diante, haverá mais luz lá em cima
E aqui permanecerão comigo o motivo e a saudade de cada uma delas


3 comentários:

  1. Que encanto...a magia está em ti, em mim e em quem mais compartilha desse olhar tão doce e serenamente intenso.
    BELÍSSIMO motivo!!!!

    ResponderExcluir
  2. Sempre, sempre, sempre lindo doce e suave ...
    Me faz tão bem!

    Doce beijo.

    ResponderExcluir