sábado, 28 de janeiro de 2012

fluido

Sou o tinto do vinho
E a palha do ninho
Sou a mesa sob as cadeiras
E a busca de todas as maneiras
Sou o sossego do lar
E o desassossego multipolar
Sou o pão dividido
E o não oprimido
Sou a fúria do carnaval
E a leitura silenciosa do jornal
Sou o labirinto inexplicável
E a via mais viável
Sou o veneno que cura
E a dor contida na doçura
Sou o poema que rasga
E o silêncio que engasga 
Sou o grito da existência
E o perdão sem penitência
Era uma vez o que nunca fui
E o talvez que sempre flui




2 comentários:

  1. Helcio

    Um mosaico de "eus".
    Gostei.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Abraço, Michele.
    Obrigado pelo carinho do comentário.
    Bom domingo pra ti.

    ResponderExcluir