segunda-feira, 26 de setembro de 2011

à beira

Nunca faça sem querer. Queira, desde a beira do fazer.
Venha sem pressa, mas venha à beça, que a flor começa a nascer.
Lambe minha presença, que a alma pensa e o corpo sente.
Que nada seja à toa, pois a vida só destoa quando o sonho está ausente.

4 comentários:

  1. "Nunca faça sem querer. Queira, desde a beira do fazer."

    Acabei de publicar isso em meu twitter, com créditos a você obviamente.

    Tenha um dia fabuloso poeta.
    Beijo meu.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo carinho, Angélica. BJ,

    ResponderExcluir
  3. "Tudo vale a pena se a alma não é pequena" e só as grandes almas sonham... e fazem poesia...
    Beijokas.

    "Nunca faça sem querer. Queira, desde a beira do fazer." Publiquei no meu face... com créditos! esse vai pegar... rsrsr

    ResponderExcluir