segunda-feira, 24 de maio de 2010

(C)oração

Por que o amor,
que tinge de humano o coração
que navegava sem rumo,
silenciosamente sereno?

Silencie, como a súbita escuridão,
e permita que me ouça,
quando nada mais houver, além de nós dois:
eu e a loucura da paixão.

Fuja de mim,
que não te busco,
escolha os caminhos por onde não passarei.
Celebremos, então, nosso encontro imortal.

6 comentários:

  1. Lindo esse poema....diz muito de você. Beijo poeta da vida

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo comentário e pelo elogio, Cecília.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Tão eu isso...tão euuuuuuuu !!!

    ResponderExcluir
  4. Amém!
    Em nome do amor, da poesia
    do movimento, do talento
    da alegria, da vida

    ResponderExcluir
  5. Sil,
    épor isso que repito que as palavras não nos pertencem, são entes nômades que beijem a alma de quem as acaricia.

    ResponderExcluir
  6. Assim seja, hoje e sempre, Nana.

    ResponderExcluir