quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

o nome da prosa

Qual o nome
do nó na garganta,
quando a vontade é tanta
e a impossibilidade se agiganta?

Qual o nome
da mão estendida
em direção ao vazio
e a esperança, de antemão,
incompreendida?

Qual o nome
da ruga no lençol,
da fuga que afugentou
as palavras que o lenço
aprisionou?

Qual o nome
da desvairada insensatez,
do que faz errar, sem altivez,
corrompendo o corpo e a alma,
de uma vez?

Qual o nome
do que, apesar de tudo, irradia
a loucura apaixonada
por um só dia e
mais nada?

7 comentários:

  1. No final de tudo, acho que é solidão...
    Mas tenha o nome que tenha, é triste.
    Beijokas, poeta.

    ResponderExcluir
  2. Creio que o nome seja paixão. Montão de bjs e abraços

    ResponderExcluir
  3. Oiiii,
    Qual o nome que expica tanta sensibilidade?...

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Às vezes dar nome é roubar o significado. Lindas palavras.

    Abraço, meu amigo.

    ResponderExcluir
  5. Solidão, paixão, sensibilidade, anonimato, beleza...
    Obrigado pela inteligência dos comentários, pelo carinho que nome algum pode conter.

    ResponderExcluir
  6. "que andam combinando no breu das tocas..."

    ResponderExcluir