domingo, 7 de agosto de 2011

ser são

O tesão deve ser são
Entre corpos, entre mentes
Entrementes, sem ser vão
Sob o céu, sobre a mesa
E a sobremesa é sempre desejável
Na presença, na saudade intensa
Insuflando, inflamável
Em transe, intransitivo
Jamais um mero aperitivo
A dois, a sós
Desenhando luas e sóis
Antes e depois
Tesão para receber e para dar
Para perceber, sem olhar
Tesão para cobrir e descobrir
Para investir e se vestir
Tesão para correr e relaxar
Para se achar e se encaixar
Para simplesmente ser, sem se cansar

4 comentários:

  1. É esse sentir constante que muda tudo a cada instante.
    Um beijo
    Denise

    ResponderExcluir
  2. Para simplesmente ser, sem se cansar, adorei

    ResponderExcluir
  3. A poesia é mesmo incansável, Ivone!

    ResponderExcluir