sábado, 30 de julho de 2011

a fresta

Por que temos de estabelecer prioridades? É muita urgência, incontinência,
tanta batida de continência para a utilidade. O ameno faz tão bem, útil e
fútil podem ser coincidentes, dissidente é a imaginação.
Nosso tempo, o tempo todo, é loteado, retalhado em muitas partes. E a
arte, apenas pormenor? Por menor que seja a disponibilidade, é possível ficar
à vontade, libertar-se do que aperta, descobrir uma fresta aberta, povoar a
praia deserta, só para sentir como é. Já percebeu que maravilha é receber
massagem nos pés? Parece que há nuvens no chão, trafega na boca muito
menos não e a beleza acontece naturalmente. Quando a gente descansa a mente,
trocando idéia por emoção, concedendo a si mesmo perdão, repentina é a paz
que anuncia que tudo que se sonhou um dia está ao alcance da mão.

8 comentários:

  1. Teu texto me lembrou essa frase: " O sábio vai por aí fazendo o nada, ensinando o não a falar"

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. quando conhecemos o perdão , repentina é a paz , lindo , adorei..te vejo

    ResponderExcluir
  3. Bom, muito bom vc ter gostado, Ivone.

    ResponderExcluir
  4. Linda a mensagem que suas palavras trazem... um encontro sublime com a paz...na verdade, uma escolha que temos que fazer conscientemente e com o coração, mesmo diante do turbilhão da vida...
    Bom domingo...feliz semana amigo...beijo
    Valéria

    ResponderExcluir
  5. Obrigado pelo carinho, Valéria! Lindo domingo e semana cheia de sorrisos.

    ResponderExcluir
  6. Ah as amenidades , as massagens nos pés , a fugidinha pras montanhas , a insensatez dos sonhos perdidos rs a displicência no roubo da rosa de algum jardim...são de fatos momentos de descanso da mente.
    Gostei de falar sobre isso, alivia minha gripe que incubou aqui rsrs
    um abraço Helcio

    ResponderExcluir
  7. Adorei saber que minhas palavras são antigripais, Lis rsrs Abraço dominical.

    ResponderExcluir