sexta-feira, 23 de julho de 2010

vôo livre

Dispenso a toalha,
prefiro o ar
Que a água escorra,
que a morte morra,
voar, voar

Propenso à claridade,
indefiro a treva
A terra não tem idade,
a rocha não tem saudade,
invade, invade

10 comentários:

  1. Entrega a um vôo livre alimentado pela ânsia de viver, sem rumo nem limites que impessam de sentir o mair puro combustível do ser humano: O amor a vida.
    Sem idade nem pedra, elimina a saudade e invade!

    ResponderExcluir
  2. Helcio, é encantador ler teus versos...
    Tenha um doce final de semana amigo!
    Beijinho
    Valéria

    ResponderExcluir
  3. Me senti, não em queda livre, mas sim a flutuar

    ResponderExcluir
  4. Que sensação gostosa essa de ler o seu poema!
    Tem horas que nos sentimos assim mesmo...
    Beijos e um ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir
  5. A nudez, a claridade,
    a natureza pura e bela
    a vida despontando na
    intensa pureza de tua alma...

    Belo texto meu amigo
    sempre tão espontâneo
    isto é vida!

    Bjs

    Livinha

    ResponderExcluir
  6. Rendo-me. Indeferir a treva, foi show !

    Beijo

    ResponderExcluir
  7. Oi Helcio...
    voltando a navegar esse mar de intensas palavras!
    Onde navegar é preciso...ou voar quem sabe!?

    Um abraço carinhoso

    ResponderExcluir
  8. eu tambem sempre preferi o voo livre...
    lindo poema.
    bom fds, bjokas

    ResponderExcluir