segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

concerto para flauta transversa

Aos vinte, vim te conhecer
Às tantas, tu me ligaste
Ligado, intrigado, aceitei o chamado
Chamei duendes, gnomos e gênios pirados
Inspirado, pintei poemas em teu corpo
Esqueci o que estava lá, embebido em estórias
Bebi as gotas de saudade, matei a sede à vontade
Livre de ti, aticei o desejo de te descobrir
Coberto de dúvidas, a ti permiti, a mim amei
Contando assim, passo a passo,
acontecemos no espaço, é só flutuar!

14 comentários:

  1. Sempre Doce e suave trazendo paz a quem te visita...

    Uma linda e abençoada semana,

    Doce Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Cão que late não morde, mas chocolate deve ser mordido rsrs
    Bjs, Sandra.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Para você, também, muita paz e alegria, Deh!

    ResponderExcluir
  5. encantamento, mágica, espaço possível...ah, que lindo assim amar-se e amar, dentro do amor!

    ResponderExcluir
  6. Amar é que nem subir escadas, tem que ser passo a passo.

    Beijos,

    Suzana/LILY

    ResponderExcluir
  7. Conserto para palavra travessa

    Nem tantos suores, nem tantos ardores
    Nem sim, nem não, muito menos palavrão
    Apenas lembranças... lembranças...
    de priscas eras, que já eram!
    Ah.....

    ResponderExcluir
  8. Eras foram, eras são, pois tu eras e eu era e sou são.

    ResponderExcluir
  9. Os degraus existenciais, Suzana!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Devorei suas palavras! Levei-as comigo.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  11. Elas são suas também, Michele! Abraço carinhoso.

    ResponderExcluir