terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

lições de Clarice

Um dia, me chamaram de bobo
E eu logo retruquei
Pois o bobo sempre perde o jogo
Mas perdendo é que eu ganhei

É conceito que se precisa rever
Bem diferente de estupidez
Trata-se de ser, sem querer parecer
Clarice me ensinou, agora é a sua vez!

13 comentários:

  1. Como sempre, desfiando palavras para novos recomeços. Lindo!

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  2. É meu querido, muitas vezes ao parecer que perdemos... descobrimos com o passar do tempo, que na verdade fomos vitoriosos... ótimo seu poema amigo...beijinhos
    Valéria

    ResponderExcluir
  3. Acho que pertenco ao "clube dos bobos", Hélcio! ;D

    Gostei muito do teu poema e vamos continuar a ser bobos!

    Obrigada pelas palavras lá no blogue. Um beijo com amizade, Ana Casanova.

    PS - Vou levar o texto da Clarice para publicar nas minhas notas no Facebook. Acho que muita gente precisa ler este texto. ;D

    ResponderExcluir
  4. Ser bobo, ou voltar a ser?

    Retomar o picadeiro da vida, ser bobo- ser palhaço!

    Viver é divertido, quendo o bobo reconhece o circo!

    Agradecendo seu comentario em meu blog, e reforçando o convite para que volte!

    Um forte abraço!

    Vinicius.C

    ResponderExcluir
  5. Voltarei ao seu blog, Vinicius.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Ana, esse clube é muito bem frequentado, pelo que percebo.
    Beijo amigo!

    ResponderExcluir
  7. Lembro-me deste texto dela... eu li há tempos.

    Pura verdade, ser bobo, lá em Minas Gerais, é ser muito esperto.

    Um abraço,

    Suzana/LILY

    ResponderExcluir