quarta-feira, 23 de junho de 2010

reencontro

Esteja onde eu estiver,

eu ardo, eu tardo, mas vou
ao encontro daquela mulher
e me encontro com tudo que sou...

12 comentários:

  1. Um encontro para se reencontrar... Assim é, muitas vezes.

    L.B.

    ResponderExcluir
  2. Poucas palavras...
    tanto sentimento.

    estou seguindo seu blog
    ok
    abraços

    geane

    ResponderExcluir
  3. Você percebeu a essência do texto, LB.

    ResponderExcluir
  4. Abraços, Geane, com todo sentimento.

    ResponderExcluir
  5. O amor, pensava, devia chegar de repente com grande estrondo e fulgurações – furacão dos céus que cai sobre a vida, transtornando-a, arranca as vontades como folhas e arrasta para o abismo o coração inteiro. Ela não sabia que no terraço das casas a chuva faz lagos quando as calhas estão entupidas e permaneceu assim em sua segurança, quando descobriu subitamente uma fenda no muro”.

    . Gustav Flaubert in Madame Bovary .


    ..E dai a gente se encontra em tudo que é...

    Mais abraços!

    ResponderExcluir
  6. ainda estou em buca desse encontro. dele nao desisto, ainda quero me reencontrar *-*

    ResponderExcluir
  7. E a gente é...em tudo que encontra...
    Abraços adicionais, Sil.

    ResponderExcluir
  8. Quando afirmas, menos distante estás, Sabrina.

    ResponderExcluir
  9. Estamos sempre em busca de nosso reflexo nos outros...de alguem que complete o que ja somos...será?

    ResponderExcluir
  10. Sol, creio que ninguém pode completar-nos, mas suplementar-nos!

    ResponderExcluir
  11. Estranha essa vida... Por que precisamos do outro pra termos melhor consciência de nós mesmos?

    ResponderExcluir
  12. Renata, depende do outro, há alguns "outros" que, em certos momentos, vêm melhor a nossa alma que nós mesmos, emaranhados que ficamos com nossos conflitos.

    ResponderExcluir