quinta-feira, 24 de junho de 2010

vertigem

Verte, verte,
deslisa em teu colo
verte e veste
vertigem no solo

Ver-te, ver-te
coberta de vida
ver-te verteres
suor e saliva

Ventre, ventre
curvas sem fim
ventre, invente
estradas em mim

30 comentários:

  1. Meu querido HM

    Ontem não pude ler-te, o dia absorveu-me... então hoje, tenho muito mais sabores a explorar.
    Este mesmo... " ventre, invente
    estradas em mim..." é o que é, mas tuas palavras reinventam o prazer de amar, de sonhar o amor.
    Você atendeu meu apelo, voltou lá e deixou-me palavras que ampliaram minha visão, momentâneamente, míope. Obrigada, querido amigo poeta, "reinventador" de razões e motivos para seguir amando (nem que seja a prórpia ânsia de viver...)
    Obrigada, meu carinho é teu.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Perfeito combinação de palavras. Um belo poema. Verte da vertente que desce pela encosta do monte, o ventre.

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  3. Comentário poético, Valéria. Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Gostei do jeito como "brincaste" com as palavras e inventaste um poema tão belo!
    Beijos Hélcio.

    ResponderExcluir
  5. Verte...inverte a sua lira...
    Veste...reveste...e delira...

    Adorei...beijos!

    ResponderExcluir
  6. Brilhante o seu comentário, Nirma.

    ResponderExcluir
  7. Helcio querido!

    " Te ler", tão lindamente falando de amor, parece que tudo fica tão fácil.
    Que amar é fácil, que vivê-lo é fácil.
    E a gente verte.
    Inverte velhos conceitos.
    Se reveste de novos.
    Se inventa.

    Enfins, obrigada por fazer a gente acreditar que espinhos, também não deixam de ser rosas.


    "Foi o tempo que dedicaste à tua rosa que fez tua rosa tão importante."
    -- Antoine de St. Exupery (in "O princepezinho")

    Um abraço, que chega ser maior que o mar!

    ResponderExcluir
  8. Muito, mas muito difícil...é viver sem amor, Sil.
    Seu carinho me investe de esperançapara prosseguir e diverte quaquer dúvida, que, sorridente, transforma-se em...vida!!
    Abraços oceânicos!

    ResponderExcluir
  9. Tú és vertente de magia! beju

    ResponderExcluir
  10. Sonhar de viver
    Viver ou morrer
    Morrer e dormi
    Brincar comigo?
    Sonhar com você!

    Adoro Fernando Pessoa...

    Beijo!

    ResponderExcluir
  11. Jogo de palavras em junção perfeita com um coração de poeta.
    Bjs de luz. Goretti

    ResponderExcluir
  12. Beijos iluminados, querida Goretti.

    ResponderExcluir
  13. Visão e vertigem vestidos e despidos.

    Belo!

    Grata pelas palavras.
    Abraços

    ResponderExcluir
  14. Belo é o significado carinhoso de sua visita, Mai.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  15. Lara, um jogo em que a única regra é que todos ganham.

    ResponderExcluir
  16. Agora..., bem, fiquei sem fôlego..., tens de facto a linguagem da paixão no seu estado mais puro!
    Beijo, Helcio Maia. Vir aqui falar contigo, passou a ser um vicio.

    ResponderExcluir
  17. Vicio não tem cura..., costuma ser um mal crónico!

    ResponderExcluir
  18. hummm.... é uma ideia...Lolllll :)))

    ResponderExcluir
  19. Sedutora, leve e maravilhosa brincadeira com as letras, Helcio!

    Te beijo

    ResponderExcluir